segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Antes que o mundo acabe...





Gostaria que você, meu amigo(a), refletisse sobre algumas coisas que realmente merecem atenção:

Antes que o mundo acabe, pense:

Quantos abraços você deu nas pessoas que ama? O abraço é o amor chamando para dançar. A deliciosa sensação do aperto, o som discreto dos corações, o cheiro de quem amamos. O abraço é democrático - nele cabe a celebração e o luto, o riso e a lágrima. Abraço quando venço e sou abraçado quando fracasso. Se o mundo acabasse dia 21 eu teria a quem abraçar...

Você ouviu aquela música? Sabe a sensação de fechar os olhos e entregar-se a uma melodia que foi tão profundo na alma que deixou marcas? Cada acorde é uma viagem, convite ao sonho. Lembranças gostam de dançar embaladas ao som da saudade. Ritmos que, na verdade, vivemos. A música é a sublimidade que mistura silêncio e som. Músicas marcam amores. Se o mundo acabasse dia 21 eu teria uma trilha sonora do amor... Como Chico Buarque canta em "Beatriz", "para sempre é sempre por um triz"...

Quantas vezes você disse: "eu te amo"? É bom ouvir essa frase. Ela carrega o poder de libertar. É a frase do ilimitado. É preciso coragem para dizê-la - ou um motivo! O frenesi do fim do mundo oferece os dois: coragem e motivo (ou desculpa). Essa frase não é apenas uma entre tantas, mas a escolha certa na sociedade das opções mesquinhas. É o teste da permanência na era dos sentimentos descartáveis. Se o mundo acabasse dia 21 eu disse essa frase tantas vezes que ela se materializou em minha esposa e nosso filhinho.

Quantas vezes você foi grato(a)? Gratidão é conseguir ver o que os outros já fizeram. Agradecer é uma espécie de arte, celebração que esmurra o ego. Quem agradece é subversivo, revolucionário, pois num tempo marcado por deturpações como individualismo, consumismo e exclusivismo, agradecer é ser alvo do milagre da descentralização. Se o mundo acabasse dia 21 eu só teria motivos de gratidão, pois vivi por pura graça!

O que você fez da sua vida? Como escreveria sua última frase? O que seria registrado naquela folha que o último vento levasse? Somos apenas humanos com medo de terminar.... Frágeis, perecíveis no tempo, arrastados pela expectativa do mundo não acabar, não ter fim, só finalidade! Sua vida é uma história de amor com o tempo ou uma fuga desesperada pelos dias? Se o mundo acabasse dia 21 eu seria um protesto, porque sei que vivi para não amaldiçoar o fim, mas para finalizar começos...

Até o dia 22

Alan Brizotti 

6 comentários:

  1. Muito lindo pastor.E bom parar e pensar um pouquinho no que realmente e importante.Ate dia 22.

    ResponderExcluir
  2. Mano, excelente reflexão! Não gostei. Amei. Ou, como dizem nas gírias por aí afora, me "amarrei" no texto, na melodia exalada, no aguçar da mente e no pensar a existência de forma plena e bela.
    Deus te abençoe, amigão!

    ResponderExcluir
  3. Mano, excelente reflexão! Não gostei. Amei. Ou, como dizem nas gírias por aí afora, me "amarrei" no texto, na melodia exalada, no aguçar da mente e no pensar a existência de forma plena e bela.
    Deus te abençoe, amigão!

    ResponderExcluir
  4. Me emocionei! Reflexões assim tem o poder de mudar vidas! Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  5. Ótimo artigo! Realmente nos leva a refletir bastante. Paz! : )

    ResponderExcluir
  6. Reciban muchisimas bendiciones desde mi blog www.creeenjesusyserassalvo.blogspot.com
    Desde El Salvador Centroamerica

    ResponderExcluir

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin